Notas de imprensa

A Assembleia da PRISA aprova por vasta maioria todas as propostas do Conselho

03-06-2019

La Junta de PRISA aprueba por amplia mayoría todas las propuestas del Consejo
  • Whatsapp
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Google+
  •       Dominique D'Hinnin e Roberto Alcántara continuam como administradores do Grupo e junta-se, como administradora independente, Béatrice de Clermont-Tonnerre
  •       Aumenta a presença das mulheres e dos administradores independentes, que ganham assim mais peso nas Comissões do Conselho de Administração

A Assembleia Geral de Acionistas da PRISA, celebrada hoje em Madrid, aprovou com mais de 95% dos votos a favor todos os acordos propostos pelo Conselho de Administração: aprovação das contas e da gestão do ano fiscal anterior, alteração da política de remunerações e de dois artigos dos estatutos sociais, delegação para a ampliação de capital e a nomeação e reeleição de administradores. Béatrice de Clermont-Tonnerre foi nomeada nova administradora independente e os administradores Dominique D'Hinnin e Roberto Alcántara foram reeleitos para os cargos que já ocupavam, na categoria de administrador independente e dominical, respetivamente.

No seguimento destas nomeações, o conselho da PRISA passa a contar com duas mulheres, dando um passo em frente no objetivo de alcançar pelo menos uma percentagem de 30% no próximo ano fiscal de 2020. Do total de treze administradores, seis são independentes, um deles com a categoria de "afiliado", cinco dominicais e um executivo. 

O Conselho de Administração aprovou também novas incorporações nas Comissões do Conselho, cuja composição resultante é a seguinte:

  • A Comissão Delegada será presidida por Javier Monzón e os vogais serão Javier de Jaime, Sonia Dulá, Manuel Mirat, Josep Oughourlian e Manuel Polanco.
  • Por sua vez, a Comissão de Auditoria, Riscos e Cumprimento será presidida por Dominique D'Hinnin, sendo os vogais a Amber Capital (representada por Fernando Martínez) e Sonia Dulá.
  • Por último, a Comissão de Nomeações, Remunerações e Governo Corporativo será presidida por Sonia Dulá e os vogais serão Dominique D'Hinnin, Javier Gómez-Navarro e Joseph Oughourlian.

  

Javier Monzón: "A atividade central do Conselho reside na estratégia e nas equipas"

Durante a assembleia, o presidente da PRISA, Javier Monzón, passou em revista o papel que desempenha e a atividade que deve ser levada a cabo por um conselho. "O que constitui e deve constituir cada vez mais a atividade central do Conselho resume-se em dois conceitos: estratégia e equipa", assinalou.

Após abordar detalhadamente estes conceitos, Javier Monzón aprofundou a função do órgão a que preside: "Não há empresas sem empresários. Numa empresa como a nossa, de propriedade dispersa, o titular da função empresarial, o empresário, deve ser o principal executivo. O Conselho supervisiona, tutela e acompanha, mas não pode desempenhar essa função diretamente." "Posso assegurar-vos", continuou, "que a PRISA é hoje uma empresa com empresário. Manuel Mirat tem as capacidades e o potencial necessários para desempenhar muito bem esta função".

O presidente explicou que "o Conselho tem mantido um empenho especial em melhorar o nosso governo corporativo e os nossos processos de tomada de decisão, que são fundamentalmente o enquadramento necessário para podermos levar a cabo a nossa função principal, a que me referi anteriormente, com fluidez e eficácia".

"Levámos a cabo", continuou, "uma revisão e reforma profunda das nossas regras de governança, aspeto em que registámos uma melhoria substancial, como temos vindo a declarar publicamente e como está patente no Relatório Anual de Governo Corporativo correspondente ao ano de 2018."

Javier Monzón destacou a representação insuficiente de mulheres no Conselho de Administração e o compromisso em aumentar a sua presença até chegar a um patamar mínimo de 30% no próximo ano fiscal. 

Manuel Mirat: "Somos um grupo comprometido com a educação e com a informação de qualidade"

No decurso da assembleia, o diretor executivo e executivo principal do Grupo, Manuel Mirat, passou em revista as medidas adotadas ao longo do último ano e meio, tendo destacado as seguintes:

  • A concretização de duas ampliações de capital no valor global de 763 milhões de euros.
  • Um acordo de restruturação da dívida, que inclui o prolongamento do prazo de vencimento da mesma até ao final de 2022.
  • A aquisição de 25% da Santillana. Uma operação que reforça a estratégia da PRISA na área da educação, ao mesmo tempo que representa uma oportunidade de geração de valor para os acionistas.
  • A obtenção de pontuação de crédito por parte das principais agências de rating, que sofreu melhorias após a operação de aquisição da Santillana.
  • O culminar de um plano de eficiência que representou uma poupança de 48,5 milhões num único ano, quando o objetivo inicial era de 40 milhões em três anos fiscais.
  • A concretização de mais de um terço do plano de desinvestimento em ativos não estratégicos, quantificado em 60 milhões em três anos.
  • A instauração de um proveitoso clima de paz social no Grupo.
  • A melhoria dos produtos editoriais, que estão a dar bons resultados, como demonstram vários indicadores. 

Posteriormente, Mirat passou em revista os grandes números do ano de 2018, que a PRISA encerrou apresentando crescimento em todos os negócios, receitas no valor de 1280 milhões e um EBITDA ajustado de 276 milhões, o que representa um incremento na ordem dos 10% em moeda local em comparação com o ano fiscal anterior. A geração de fluxo de caixa foi positiva, no valor de 42 milhões de euros, e a dívida líquida situava-se, em finais de 2018, nos 929 milhões, em comparação com os 1422 milhões registados em dezembro de 2017.

De olhos postos no futuro, o executivo principal da PRISA declarou: "Estou convencido de que nos encontramos num momento único, se aproveitarmos as oportunidades que nos oferecem a transformação digital e o posicionamento e reputação dos nossos produtos em Espanha e na América Latina. Estas são as plataformas fulcrais", continuou, "para desenvolver a estratégia da PRISA, que passa por criar um grande projeto transversal, único e global de educação, entretenimento e informação generalista, económica e desportiva."

Abordando mais pormenorizadamente as áreas de negócio, Mirat explicou que, na área da EDUCAÇÃO, a aposta é o desenvolvimento dos sistemas de ensino digital ou de subscrição na América Latina. "Queremos acelerar o nosso crescimento no Brasil, em particular, mas sem esquecer os outros países da região. A Santillana foi o único jogador de relevo na América Latina que soube desenvolver os sistemas de ensino fora do Brasil, construindo uma plataforma escalável que, atualmente, se encontra presente em 15 países e que conta com mais de 1.400.000 alunos distribuídos por mais de 3000 escolas", afirmou.

Os objetivos da PRISA NOTÍCIAS, na opinião do diretor executivo do Grupo, "estão centrados em robustecer o modelo de negócio de publicidade digital, assim como no estabelecimento de bases para o lançamento de um modelo de subscrição. O nosso enfoque é e será o nosso leitor, que nos exige rigor e verdade e que tem o nosso respeito e atenção."

No que diz respeito à PRISA RÁDIO, o seu futuro passa por se tornar o maior produtor e distribuidor mundial de áudio em língua espanhola. "É evidente que chegou o momento do áudio, porque é o único formato realmente compatível com a economia do tempo e com as vantagens que oferecem as novas tecnologias neste campo", opinou.

Mirat destacou também que "a Media Capital continua a revelar-se um ativo muito sólido, líder num mercado tão competitivo como é o da televisão em Portugal e com uma forte geração de receitas, EBITDA e fluxo de caixa." 

"Como podem ver, senhoras e senhores acionistas, nos últimos meses, empreendemos reformas de fundo, estabelecemos sólidas bases de crescimento e, olhando para o futuro, creio que temos uma rota clara e emocionante de todos os pontos de vista, especialmente a nível da capacidade de criação de valor para os senhores, os nossos acionistas", declarou.

O diretor executivo do Grupo vincou com especial veemência o compromisso que a PRISA tem para com a sociedade. "Indo além de visões de curto prazo, a nossa estratégia deve integrar objetivos como o desenvolvimento e bem estar dos nossos profissionais e a sustentabilidade da nossa empresa a longo prazo. É precisamente neste momento de transformação e de confusão que a sociedade necessita de uma referência genuína. Um guia. Um caminho. É aí que reside a missão de um Grupo como a PRISA", afirmou Mirat. 

E concluiu: "Somos um grupo comprometido com a educação e com a informação de qualidade, fiável, independente e responsável. Somos um grupo comprometido com o repto de contribuir para o desenvolvimento e progresso das pessoas e da sociedade de todos e de cada um dos países em que estamos presentes."

Regressar às notícias

Ir para o início da página