Notas de imprensa

A PRISA apresenta uma melhoria de 33% no EBITDA no terceiro trimestre do ano

29-10-2019

po-banner-resultados-ene-sept-2019-prisa-20191028-v1.jpg
  • O EBITDA apresenta um crescimento orgânico de 17% entre janeiro e setembro
  • As receitas digitais representam já 20% do total do Grupo
  • A Santillana aumenta em 16% o número de alunos ativos nos sistemas de subscrição, totalizando assim 1,43 milhões. As receitas dos sistemas de subscrição ascendem aos 102 milhões de euros, com um crescimento de 13,6% em moeda local
  • A PRISA chega a acordo quanto à venda da Media Capital, que passa a registar-se como atividade em descontinuidade.
  • O Grupo espera uma forte geração de caixa e de EBITDA no quarto trimestre, graças ao crescimento acelerado da Santillana no Brasil
  • A PRISA confirma as suas previsões para o conjunto do ano fiscal

O EBITDA do Grupo PRISA cresce 33% no terceiro trimestre do ano em comparação com o mesmo período do ano anterior (79,6 milhões de euros face a 59,8 milhões), de acordo com os dados remetidos à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV). No conjunto dos primeiros nove meses de 2019, o EBITDA do Grupo regista um crescimento orgânico de 17%. Ao longo deste período, o EBITDA orgânico da Santillana aumentou 13%, o da PRISA Rádio cresceu 1% e o da PRISA Notícias apresentou um crescimento de 5,8 milhões.

A PRISA continua a avançar na sua estratégia de consolidar a digitalização de todos os seus negócios. No final do mês de setembro, as receitas digitais do Grupo representavam 20% do total de receitas. No caso da Santillana, o negócio digital (os denominados sistemas de subscrição) ascendeu a 102 milhões no fim do terceiro trimestre do ano, o que representa um aumento de 13,6% em moeda local. Os sistemas de subscrição contam já com 1,43 milhões de alunos ativos, um valor que representa um aumento de 16% em relação ao ano anterior. No segmento da Imprensa, as receitas digitais representam 33% da totalidade das receitas e 57% das receitas de publicidade, ao passo que as da PRISA Rádio apresentaram um crescimento de 8% até setembro.

A companhia chegou a acordo quanto à venda da Media Capital à portuguesa Cofina, seguindo assim o rumo traçado pelo Grupo, que consiste em concentrar os seus esforços na redução do nível de endividamento, no crescimento rentável com base nas oportunidades que a transformação digital proporciona e na geração de valor. A Media Capital passa a registar-se como atividade em descontinuidade.

O Grupo prevê que, no último trimestre do ano, se produza um acentuado aumento a nível da geração de caixa e do EBITDA devido, fundamentalmente, ao crescimento repentino do negócio da Santillana no Brasil. Nesse trimestre, registar-se-ão as vendas públicas do Brasil, nas quais se alcançou uma quota extraordinária. Estas vendas renderão receitas no valor de 394 milhões de reais, em comparação com os 252 milhões de reais em 2018.

Tendo em conta a evolução dos negócios nos nove primeiros meses do ano, além das perspetivas para o quarto trimestre, a PRISA confirma as suas previsões para o conjunto do ano fiscal.

Regressar às notícias

Ir para o início da página