Notas de imprensa

A PRISA chega a acordo quanto ao refinanciamento da sua dívida e reforça a sua equipa diretiva

16-01-2018

PRISA acuerda la refinanciación de su deuda y refuerza su equipo directivo
  • Whatsapp
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Google+

O Conselho de Administração aprova um acordo com os credores que permite aumentar em cinco anos o prazo da dívida

Pedro García Guillén é nomeado diretor executivo da PRISA Rádio e Alejandro Martínez Peón é nomeado diretor executivo da PRISA Notícias

Augusto Delkáder será diretor editorial, Jorge Rivera ficará à frente da Direção de Comunicação e Relações Institucionais e Marta Bretos ocupará a Direção de Gestão do Talento

 

O Conselho de Administração da PRISA aprovou hoje a assinatura de um acordo com a maioria dos credores financeiros do Grupo para refinanciar a sua dívida. O pacto prolonga o prazo de vencimento da dívida até ao final de 2022, ou seja, trata-se de uma extensão de cinco anos da vigência da dita.

O acordo não prevê amortizações obrigatórias nos três primeiros anos, a partir da data de hoje até dezembro de 2020, com um calendário de reembolso posterior adaptado ao fluxo de caixa esperado dos negócios do Grupo.

Além disso, determina um primeiro pagamento de 450 milhões de euros, a ser efetuado com os fundos obtidos através da ampliação de capital aprovada pela Assembleia Geral de Acionistas da PRISA, celebrada no passado dia 15 de novembro.

Este acordo já foi subscrito por uma maioria suficiente de credores financeiros da PRISA quanto ao montante da dívida e ao número de credores em cada uma das suas tranches, e estará sujeito a desenvolvimentos nos contratos oportunos. Este acordo de refinanciamento da dívida entrará em vigor o mais tardar no dia 30 de junho de 2018. O acordo fica condicionado pelo termo de a PRISA levar a cabo o aumento de capital no total de 450 milhões de euros aprovado pela Assembleia Geral de Acionistas do dia 15 de novembro de 2017.

 

COMPOSIÇÃO DO NOVO COMITÉ DE DIREÇÃO DO GRUPO

Na sua reunião de hoje, o Conselho de Administração da PRISA aprovou também a composição do novo Comité de Direção do Grupo, por proposta do diretor executivo, Manuel Mirat, e com base no relatório prévio da Comissão de Nomeações e Remunerações. Nesta equipa, incluem-se Pedro García Guillén como diretor executivo da PRISA Rádio, Alejandro Martínez Peón como diretor executivo da PRISA Notícias, Augusto Delkáder como diretor editorial, Jorge Rivera como diretor de Comunicação e Relações Institucionais e Marta Bretos como diretora de Gestão do Talento.

Continuarão a desempenhar as suas funções atuais no Comité de Direção Guillermo de Juanes, diretor-geral financeiro; Xavier Pujol, secretário-geral e diretor da Assessoria Jurídica; Miguel Ángel Cayuela, diretor executivo da Santillana e Rosa Cullell, diretora executiva da Media Capital.

Pedro García Guillén foi diretor executivo da Movistar+ entre maio de 2015 e dezembro de 2017. Licenciado em Ciências Económicas e Empresariais pela Universidade Complutense de Madrid, passou a maior parte da sua vida profissional no Grupo PRISA. Entre outros cargos, ocupou a posição de diretor executivo da PRISA TV e da DTS (anteriormente Sogecable) entre 2009 e maio de 2015. Antes disso, entre 2000 e 2009, foi diretor-geral do EL PAÍS.

O novo diretor executivo da PRISA Notícias, Alejandro Martínez Peón, ocupou o cargo diretivo correspondente na TeleCable, entre outubro de 2009 e agosto de 2017. Anteriormente, foi diretor e assessor da PwC, cargo que ocupou após desempenhar várias funções diretivas no Grupo Telefónica, tanto em Espanha como na América Latina. Licenciado em Administração e Gestão de Empresas pela Universidade de Oviedo, estudou também na London School of Economics and Political Science e na Universidade de Standford.

A atividade profissional de Augusto Delkader Teig, o novo diretor editorial, desenvolveu-se fundamentalmente na gestão de empresas de comunicação, líderes nos mercados de língua espanhola. Delkáder foi diretor do Diario de Cádiz, membro da equipa fundadora do El País, publicação da qual foi diretor-adjunto durante dez anos, e diretor executivo da Cadena SER e da PRISA Rádio. Noutras áreas, foi presidente do conselho social da Universidade de Cádiz e patrono da Fundación de las Tres Culturas del Mediterráneo. É licenciado em Direito e Ciências da Informação pela Universidade Complutense de Madrid, aprofundou os seus estudos no Reino Unido e nos Estados Unidos e é fellow do primeiro grupo espanhol do German Marshall Fund. Atualmente, é presidente da PRISA Rádio e da Cadena SER, administrador do conselho da Caracol Radio e membro do Conselho de Ciências Sociais da Fundação Ramón Areces.

Jorge Rivera, licenciado em Ciências da Informação pela Universidade Complutense de Madrid, era diretor-adjunto de Informação do El País desde março de 2016. Anteriormente, foi diretor do Cinco Días de junho de 2005 a março de 2016, jornal em que desempenhou as funções de subdiretor e redator-chefe. Fez parte da secção de Economia do El País entre 1991 e 2000, depois de participar na fundação do jornal diário El Sol em 1990 e na fundação de La Gaceta de los Negocios em 1989.

A nova diretora de Gestão do Talento, Marta Bretos, é inspetora de Trabalho e Segurança Social e é licenciada em Ciências Políticas pela Universidade Complutense de Madrid. Atualmente, e desde 2011, é diretora de Recursos Humanos da PRISA Rádio, cargo que continuará a desempenhar. Anteriormente, tinha ocupado cargos semelhantes, tanto na Corporación Radiotelevisión Española (RTVE), como nos Correios. Antes de assumir esta responsabilidade nos Correios, foi chefe de área de gestão de pessoal do Ministério do Fomento e chefe do serviço de Relações Laborais do Ministério de Obras Públicas, Transportes e Meio Ambiente.

  

SOBRE A PRISA

O Grupo PRISA é líder em educação e meios de comunicação social em língua espanhola e portuguesa a nível mundial, encontrando-se numa fase muito avançada no âmbito do seu ambicioso processo de digitalização, e conta com um sólido posicionamento em todos os seus negócios na América.

A Santillana é um dos seus ativos fundamentais. A notoriedade, a presença e o enraizamento é a sua grande mais-valia, uma vez que é a marca mais reconhecida e respeitada em todos os mercados em que opera. De facto, a sua quota de mercado combinada nos territórios em que trabalha chega aos 25%. A Santillana é líder em países como Espanha, México, Colômbia, Chile ou Peru, e é número dois no mercado brasileiro. A editorial tem, além disso, uma assinalável mais-valia em relação a outras companhias concorrentes, uma vez que é a única que opera em todos os países do mercado ibérico e da América Latina.

À semelhança do que acontece na Santillana, o traço distintivo do negócio da rádio é a liderança. Trata-se da principal empresa do mundo na área da rádio em espanhol. A Cadena SER ocupa a primeira posição do ranking em Espanha há 25 anos, tendo-se tornado a referência por excelência. O grupo goza de uma posição de liderança há vários anos na rádio falada na América Latina, em particular na Colômbia e no Chile, onde ocupa o primeiro lugar, e no México, mercado em que chega à segunda posição. Porém, a sua posição privilegiada não se limita ao contexto estritamente informativo. Também no mundo do entretenimento, LOS 40 é o líder indiscutível da rádio musical, tanto em Espanha como na América Latina.

EL PAÍS é a grande referência informativa no mundo de língua espanhola. A marca tornou-se, de forma indiscutível, a plataforma online de notícias número um, não só em Espanha como no conjunto dos países de língua espanhola, com uma presença muito marcada em mercados como o México, o Brasil, a Argentina ou a Colômbia. Este êxito reflete-se no ranking mundial, no qual se situa em décimo lugar, numa concorrência renhida com os principais meios de comunicação social chineses, norte-americanos e britânicos. Além disso, o EL PAÍS acaba de atingir um marco histórico ao alcançar os 100 milhões de navegadores únicos, segundo a ferramenta de medição interna do jornal. A evolução do jornal desportivo AS também regista uma tendência claramente positiva. Atualmente, ocupa o segundo lugar no mercado espanhol e é líder no mercado da América Latina (à exceção do Brasil), onde levou a cabo uma ambiciosa estratégia de expansão, com redações próprias nos países mais representativos da região.

Regressar às notícias

Ir para o início da página