Notas de imprensa

Mirat aposta num crescimiento rentável em Espanha e na América Latina

25-04-2018

Mirat apuesta por un crecimiento rentable en España y Latinoamérica

A PRISA vê uma oportunidade nas consolidações pendentes dentro do negócio da Informação

O conselheiro representante da PRISA, Manuel Mirat, explicou, durante o seu discurso na assembleia geral de acionistas realizada em Madrid, que o objetivo do Grupo é alcançar um crescimento rentável de todos os seus negócios, tanto em Espanha como na América Latina.

“Uma vez posta em ação e fortalecida a estrutura económica do Grupo depois de ter atravessado momentos muito complicados, cabe-nos enfrentar o presente e o futuro. Fazemo-lo com a ambição que merece uma empresa de referência em Espanha e na América Latina, cujos objetivos inevitáveis são não só aumentar a rentabilidade e o valor para os acionistas, como também contribuir para a melhoria da sociedade através do trabalho rigoroso e responsável das suas marcas e dos seus profissionais, em campos tão sensíveis como a Educação e a Informação”, assinalou Mirat.

Instantes antes, tinha exposto diante dos acionistas as decisões mais relevantes adotadas desde que, há pouco mais de sete meses, assumiu o cargo de conselheiro representante: “Entre o passado mês de setembro e o dia de hoje, conseguimos descartar a venda da Santillana, reestruturámos a dívida, fechámos a ampliação de capital de 563 milhões de euros e levámos avante uma profunda renovação da equipa diretiva”.

O primeiro executivo da PRISA deu especial ênfase ao realçar “o extraordinário esforço e os vários sacrifícios que há muito tempo fazem os acionistas da PRISA, para manter firme o rumo deste projeto empresarial. Por isso, apresento aqui o meu forte compromisso e o de todos os profissionais do Grupo em retribuir com resultados esse sólido apoio. Trata-se de uma exigência inevitável para todos nós”. Além disso, recordou o anterior presidente do Grupo: “O meu percurso no grupo desenvolveu-se basicamente com Juan Luis Cebrián à frente do mesmo e, por isso, tenho um grande afeto e apreço pessoal, assim como um reconhecimento das habilidades e contribuição que teve ao longo da sua longa trajetória”.

Mirat estima que “a Santillana é, sem dúvida alguma, um ativo fundamental e de particular relevância, tanto estratégica como pelo seu peso económico e financeiro. A sua notoriedade, assim como a sua presença e penetração em todos os mercados em que opera, constitui o seu grande ponto forte. 

A sua quota combinada nos territórios em que desenvolve a sua atividade alcança 25%. A Santillana é a empresa líder no seu setor em Espanha e na Ibero-América.  

O conselheiro representante da PRISA também realçou a posição de liderança das marcas do Grupo na Informação, tanto na imprensa como na rádio. E fez uma menção especial à marca EL PAÍS. “Para este compromisso, contamos com uma marca tão influente e reconhecida a nível mundial como o EL PAÍS. Nenhuma outra tem a sua força no mundo da informação em língua espanhola. Estamos, então, na obrigação de construir à sua volta uma plataforma que desenvolva todos os seus potenciais, tanto na América Latina como em Espanha, que consolide a sua influência e amplie as bases económicas necessárias para sustentar um projeto informativo responsável”.

Mirat marcou como objetivo “aumentar a nossa quota nos mercados em que estamos presentes com apostas informativas e com uma racionalização de ativos que não só permitam melhorar a qualidade dos nossos produtos, como também um crescimento orgânico mais rentável para o futuro”. “Adicionalmente”, continuou, “temos uma grande margem para aumentar o valor e a rentabilidade da empresa perante o crescimento não orgânico num setor como o da Informação, no qual as consolidações são ainda um assunto pendente”.

O desenvolvimento digital tanto na área da Educação como no da Informação é outra das prioridades fixadas pela direção da PRISA, que combinará com o rigor na gestão. Neste ponto, o primeiro executivo do Grupo enfatizou que arrancou “um novo plano de eficiência que se centra prioritariamente na estrutura corporativa, ainda que não de maneira exclusiva. Estamos a rever de forma exaustiva todas as unidades do grupo com o objetivo de identificar e extrair sinergias adicionais e de melhorar a forma como operamos.”

 

Regressar às notícias

Ir para o início da página