Notas de imprensa

O EBITDA comparável da PRISA cresce 3%

27-04-2018

O EBITDA comparável da PRISA cresce 3%
  • Whatsapp
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Google+
  • O negócio da Educação, conforme o esperado, viu-se afetado pela taxa de câmbio negativa e temporária com a entrada em vigor da NIIF15
  • No negócio da Informação, a Rádio melhora a rentabilidade, impulsionada pelos bons resultados da América Latina e a Imprensa continua a crescer no seu desenvolvimento digital.
  • A dívida líquida situa-se nos 818 milhões perante os 1422 milhões de dezembro. Fluxo de caixa positivo no trimestre.
  • A implementação do plano de eficiência representou uma poupança de 8,5 milhões de euros no primeiro trimestre do ano. O impacto no EBITDA é de 6,9 milhões de euros.
  • O resultado líquido no primeiro trimestre de 2018 alcança os 9,9 milhões de euros.
  • O Grupo mantém as previsões para o ano

 

O Grupo PRISA registou um EBITDA comparável (à taxa de câmbio constante e sem o efeito temporário das NIIF15) de 87,6 milhões no primeiro trimestre do ano, o que representa um aumento de 3% em relação ao alcançado no mesmo período do exercício anterior.

Conforme o esperado pela empresa, o negócio da Educação viu-se afetado pela evolução negativa das taxas de câmbio, assim como pela entrada em vigor da NIIF 15. Esta, que entrou em vigor em janeiro, estabelece um novo modelo de reconhecimento das receitas que obriga a diferir no tempo as receitas derivadas da venda de serviços conforme se vá produzindo a prestação dos mesmos. A implantação desta norma afeta de forma temporária os negócios dos sistemas de ensino Uno e Compartir e provocou um impacto negativo nas receitas de janeiro a março de 8,2 milhões e de 4,6 milhões no EBITDA, que será corrigido ao longo do ano. Excluindo este efeito, e à taxa de câmbio constante, a Santillana obtém receitas totais de 215 milhões de euros e o EBITDA comparável cresce 2%.

O negócio da Informação continua a sua consolidação, a última vaga do EGM confirma a liderança das emissoras da PRISA Rádio em Espanha. A Cadena SER cumpre 25 anos de liderança ininterrupta da rádio espanhola e todos os seus programas são líderes nas respetivas faixas horárias. A LOS40 é a estação musical líder, a segunda em ouvintes depois da Cadena SER e a que mais cresce, segundo o EGM. 

O impacto das taxas de câmbio foi negativo em 2,7 milhões de euros nas receitas e em 0,2 milhões no EBITDA. No entanto, à taxa de câmbio constante, o EBITDA ajustado da Rádio melhora 27% até alcançar os 7 milhões de euros.

No primeiro trimestre deste exercício, os meios da PRISA Notícias contam com 125 milhões de navegadores únicos, o que significa um crescimento de 29%. O El País mantém a sua liderança em Espanha com uma quota de mercado de 41% e continua a ser o primeiro jornal em espanhol no ranking mundial de meios de comunicação. Por sua vez, o jornal As reforça a liderança no digital, na América.

As receitam revelam uma queda de 9,4%, alcançando os 45,7 milhões de euros. O aumento da publicidade digital e outros negócios digitais não permitiu compensar a queda da publicidade convencional e da circulação. No entanto, a publicidade digital cresce 2% e já representa 51% do total das receitas publicitárias. No caso do As, as suas receitas digitais representam 79% do total. O EBITDA ajustado da Imprensa alcança -0,7 milhões de euros em relação aos 0,9 milhões no mesmo período de 2017. 

A PRISA reduziu a sua dívida até aos 818 milhões de euros perante os 1224 milhões no fim de 2017, após os fundos obtidos da ampliação de capital e do desenvolvimento de fluxo positivo. Os gastos em juros de financiamento viram-se reduzidos em 1,6 milhões de euros.

A empresa está a levar a cabo o plano de eficiência anunciado no passado mês de fevereiro, com o objetivo de poupar 40 milhões de euros nos próximos 3 anos, principalmente no perímetro dos meios de comunicação e corporativo. No período que vai de janeiro a março de 2018, a implementação destas medidas implicou uma poupança de 8,5 milhões de euros com um impacto no EBITDA de 6,9 milhões de euros.

O resultado líquido do primeiro trimestre do ano foi de 9,9 milhões, perante os 21,9 milhões registados no mesmo período do ano anterior.

  

OUTROS FEITOS SIGNIFICATIVOS POR UNIDADES DE NEGÓCIO

Na área da educação

  • Norma e os sistemas de ensino digitais continuarão a mostrar crescimento.
  • Os sistemas de ensino UNO e Compartir cresceram 8%, de janeiro a março, em número de alunos até ultrapassar um milhão.
  • Nas campanhas da zona sul, comportaram-se conforme o previsto, mostrando uma queda de 5% devido à ausência de venda institucional extraordinária no Brasil e ao atraso na venda institucional da Argentina, que se produzirá no segundo trimestre de 2018.
  • A taxa de câmbio teve um impacto negativo fundamentalmente pela evolução de taxas no Brasil e na Argentina. Este impacto negativo foi de 33 milhões de euros em receitas e 17 milhões de euros no EBITDA.

No negócio da Rádio

  • No primeiro trimestre de 2018, as receitas ajustadas da rádio cresceram 1% em moeda constante (-3,5% em euros), impulsionadas pelo bom comportamento na América Latina, cujas receitas crescem 10% em moeda constante. Espanha regista uma queda nas receitas, feita a comparação com o ano anterior com o efeito da Semana Santa que, este ano, foi em março.
  • O impacto das taxas de câmbio foi negativo em 2,7 milhões.
  • Em Espanha, as receitas ajustadas alcançam 39,9 milhões de euros no período, perante os 41,7 milhões registados no mesmo período do exercício anterior. A queda registada explica-se, principalmente, com a queda da publicidade afetada pelo efeito da Semana Santa.
  • As receitas publicitárias brutas caem 2,4% com crescimento em local de 2,1% e queda em nacional de 7,1%. Descontando o efeito da Semana Santa, as receitas publicitárias brutas teriam permanecido estáveis.
  • Na América Latina, as receitas ajustadas alcançam 22,1 milhões de euros versus 20,0 milhões no mesmo período de 2017, com um aumento de 10%. Cabe destacar o bom comportamento da Colômbia, Chile e México.
  • A expectativa para o resto do ano é que a publicidade reponte com o impacto positivo do Mundial de futebol e as várias eleições que terão lugar na América Latina.

Na divisão da Imprensa

  • As receitas da publicidade alcançam os 21,4 milhões de euros, com uma queda de 5%, afetadas pelo efeito da Semana Santa. A descida teria sido de 1,5% sem o efeito da Semana Santa.
  • As receitas de publicidade não digital diminuem 11%.
  • Os eventos crescem 7,2% até chegar aos 1,7 milhões de euros.
  • Destaca-se o forte controlo de custos, com uma queda de -6%.
  • A implementação de medidas de eficiência após o acordo com terceiros para a impressão de jornais e o anúncio do encerramento das fábricas de impressão continuará a gerar poupanças ao longo do exercício.
  • Para o resto de 2018, espera-se uma melhoria de margens, apesar da queda nas receitas.

Regressar às notícias

Ir para o início da página