Notícias

Vicente Jiménez, novo diretor do AS

30-04-2019

  • Whatsapp
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Google+

Alfredo Relaño continuará ligado ao grupo e será presidente honorário do diário desportivo

O conselho de administração do AS, reunido ao meio-dia de hoje em Madrid, nomeou Vicente Jiménez como diretor do AS. O jornalista, que substitui Alfredo Relaño no cargo, assumirá funções a 1 de junho próximo. Alfredo Relaño, diretor do diário desde 1996, continuará ligado à PRISA e será presidente honorário do AS.O conselho do diário elaborou uma declaração unânime de “reconhecimento e agradecimento” a Relaño, “sem cuja contribuição não seria possível compreender a importância do AS como um referente imprescindível da informação desportiva em Espanha e na América Latina”.

Vicente Jiménez Navas (Barcelona, 56 anos), é licenciado em Jornalismo pela Facultad de Ciencias de la Información da Universidade Autónoma de Barcelona. Para além disso, já na sua fase profissional, concluiu um curso de Desenvolvimento de Gestão na IESE Business School e beneficiou de uma bolsa nos Estados Unidos pela German Marshall Foundation.

Jiménez deu os seus primeiros passos no El Periódico de Catalunya em 1984. Após seis anos no El Periódico como redator de Desporto, integrou a redação do EL PAÍS em Madrid, também na área do Desporto. Em janeiro de 1994, assumiu a responsabilidade da revista Tentaciones do EL PAÍS. Posteriormente, foi redator-chefe de Informação Local de Madrid e redator-chefe do jornal Sociedad. Em 1999, foi nomeado subdiretor do EL PAÍS.

Em setembro de 2005, Jiménez foi nomeado diretor adjunto do EL PAÍS. Durante os quase nove anos em que esteve no cargo, o periódico abordou a sua transformação digital e a adaptação dos seus conteúdos aos novos suportes tecnológicos. O EL PAÍS posicionou-se como líder em língua espanhola na Internet. Nesse êxito, desempenhou um papel primordial a aposta do periódico no seu caráter global, o que se traduziu no lançamento de novas edições digitais: Edición América e Edición Brasil.

Em maio de 2014, transferiu-se para Nova Iorque como correspondente do diário. Em fevereiro de 2015, regressou a Espanha para assumir o cargo de diretor geral da Cadeia SER e das emissoras musicais da PRISA Radio. Durante os três anos em que esteve nesse cargo, a SER consolidou a liderança e prosseguiu na sua transformação digital. Em fevereiro de 2018, Jiménez foi nomeado diretor geral de conteúdos para as emissoras latino-americanas da PRISA Radio (Colômbia, México, Chile, Argentina, Panamá, Estados Unidos…).

Alfredo Relaño Estapé (Madrid, 1951) fez os seus estudos na Escuela Superior de Ingenieros de Caminos e na Facultad de Derecho, até que optou pelo jornalismo. Formou-se na Escuela Oficial de Periodismo de Madrid e iniciou a sua carreira profissional no diário desportivo Marca, tarefa que conciliou desde muito cedo com a correspondência em Madrid para o Mundo Deportivo de Barcelona. Daí passou para o Pueblo, diário vespertino de informação geral, e para o Arriba, até que em 1976 integra a redação fundadora do EL PAÍS como redator de Desporto.Foi encarregue da abertura da delegação do diário na Andaluzia e regressou a Madrid como redator-chefe de Desporto do diário. Em 1987, passa à Cadeia SER, integrada pelo grupo PRISA, como diretor de desporto, cargo onde impulsiona a criação do programa El Larguero, designando para a sua condução José Ramón de la Morena.

Com o lançamento por parte da PRISA do Canal+, integra em 1989 o grupo fundador do mesmo, como diretor de Desporto. Introduziu o futebol pago na televisão espanhola e lançou um novo modelo de transmissões e programas desportivos de grande êxito, posteriormente imitados pelo resto das televisões espanholas.

Em 1996, quando a PRISA adquire a maioria do diário AS, foi nomeado diretor do mesmo. Desde a sua incorporação, o AS inverteu uma tendência de queda observada durante os anteriores dez anos e multiplicou vendas e leitores. Nos últimos anos, lançou edições digitais no Chile, Colômbia, México, Miami e em vários países árabes e está em marcha o projeto de lançar mais algumas na América Latina, bem como no Extremo Oriente.

Regressar às notícias

Ir para o início da página